REFIS do Simples – Entenda como pagar as parcelas.

Uma vez que tenha ingressado no RELP (Refis do Simples) e apurado a forma de desconto de sua dívida (exposto no post anterior), o contribuinte deve então calcular a forma de apuração das parcelas.

O saldo, dividido em até 180 vezes, pode ser pago da seguinte forma:

  • do 1ª à 12ª parcela (primeiro ano): 0,4% do saldo consolidado da dívida;
  • da 13ª à 24ª parcela (segundo ano): 0,5% do saldo consolidado da dívida;
  • da 25ª à 36ª parcela (terceiro ano): 0,6% do saldo consolidado da dívida; e
  • a partir da 37ª parcela, o saldo, dividido em até 144 vezes.

As parcelas também não poderão ser inferiores a R$ 300,00 para micro e pequenas empresas, ou R$ 50,00 para MEI.

A cada parcela é acrescido juros equivalentes à taxa Selic, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação (pedido de adesão) até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento for efetuado.

REFIS do Simples – Entenda como aderir e qual a base de redução de multa e juros.

Nessa sexta feira foi publicada Instrução Normativa 2.078/22 que regulamento (na RFB) a adesão ao progrma.

Estima-se que 400 mil empresa aderirão ao benefício, cujo prazo máximo será de 180 parcelas.

A adesão se dá pelo e-CAC onde as dívidas a serem parcelas deverão ser indicadas. Poderá haver migração de parcelamentos antigos, bastando a desistência formal deles.

O primeiro pagamento se dá no exato momento da adesão.

As reduções são:

Quem teve a receita bruta reduzida em:

  • 80% ou mais (ou ficou inativo): paga 1% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 90% de desconto sobre multas e juros.
  • 60%: paga 2,5% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 85% de desconto sobre multas e juros.
  • 45%: paga 5,0% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 80% de desconto sobre multas e juros.
  • 30%: paga 7,5% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 75% de desconto sobre multas e juros.
  • 15%: paga 10% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 70% de desconto sobre multas e juros.
  • Sem perda (0): paga 12,5% da dívida total, sem redução, em até 8 vezes (até novembro) e o restante parcelado em até 180 vezes, com 65% de desconto sobre multas e juros.

Saiu a redução do IPI – 35% – Maravilhosa notícia.

Como antecipado aqui no blog há poucos dias, o Gov. Federal publicou nova TIPI contemplando a redução de IPI que agora totaliza 35%.

Antes já havia sido reduzida em 25%, agora foram mais 10%.

Novo corte beneficia: calçados; tecidos; metalurgia; TV e SOM; Carros; armas; Móveis; brinquedos e máquinas.

Serão 27 bilhões ao ano que ficarão nas mãos dos consumidores pelos descontos.

Sextou! Dia de bebemorar!

PLR com isenção de imposto de renda na fonte – medida deve valer em breve.

Comissão do SENADO aprovou medida que isentaria o pagamento de PLR de imposto de renda retido na fonte (até 27,5%).

De fato não faz sentido os lucros serem distribuídos de modo isento (sem limite algum) e os PLRs sofrerem a retenção.

Possivelmente nas próximas semanas essa regra já esteja vigendo, bastando apenas que o Senado de andamento e remeta à Câmara, onde também já há apoio total à ideia.

Aguardemos.

SESCON ingressa com pedido de liminar para empresas do SIMPLES não serem expulsas do programa. Entenda.

O momento é tenso. Até 29/04 a empresa que estiver inadimplente com o SIMPLE será excluída do programa retroativamente a dezembro de 2021.

O REFIS do SIMPLES (RELP) tem o prazo até 30/04 para adesão ao reparcelamento.

Estamos a 7 dias do prazo fatal e a RECEITA FEDERAL foi enfática: não tem prazo para iniciar o programa de adesão tão cedo.

CAOS. Para se dizer o mínimo.

Diante disso, hoje, o SESCON-SP ingressou com medida liminar para que as empresa em débito não sejam excluídas do SIMPLES antes da RFB abrir a adesão.

Há fortes indícios de que será dada liminar.

Aguardemos.